O Estresse Ocupacional no Enfermeiro na Unidade de Terapia Intensiva

  • Vanessa Sanches Campassi Etec Monsenhor Antônio Magliano
Palavras-chave: Unidade de Terapia Intensiva. Estresse Ocupacional. Enfermeiro. Organização.

Resumo

O presente artigo é sobre o estresse ocupacional no enfermeiro na Unidade de Terapia Intensiva (U.T.I.). O estresse impacta de forma negativa ao interferir na produtividade, nos relacionamentos, na condição física e psíquica dos membros de uma organização. O local de trabalho se torna insustentável quando os funcionários são acometidos por tal situação. O objetivo do trabalho foi estudar os fatores que causam o estresse ocupacional no enfermeiro da Unidade de Terapia Intensiva, um setor hospitalar que tem como características: carga de trabalho excessiva, cobranças e responsabilidades que influenciam diretamente no aparecimento do estresse ocupacional. A metodologia utilizada foi  revisão de literatura por meio de artigos científicos, acadêmicos e de plataformas online como Scielo, Bireme e Medline. Os resultados deste trabalho mostram que na Unidade de Terapia Intensiva os principais agentes causadores do estresse, além dos já citados, estão relacionados com fatores de ordem pessoal como dupla jornada, constante estado de alerta, fracasso no relacionamento interpessoal, entre outras, que provocam no organismo um estado de exaustão, podendo desencadear doenças. Desta forma, a produtividade e qualidade de vida do enfermeiro na Unidade de Terapia Intensiva são afetadas pelo estresse ocupacional. Qual a relevância dos resultados apresentados? Como os resultados avançam o conhecimento na área ou ajudam a resolver o problema proposto?

Publicado
2018-12-21